• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Imprensa

Fundos de investimento revertem resgates e apresentam captação líquida de R$ 44,9 bilhões em maio

Após registrarem resgates líquidos de R$ 15,3 bilhões em abril, os fundos de investimento apresentaram captação líquida positiva de R$ 44,9 bilhões em maio. De acordo com dados da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), a indústria de fundos já acumula ingressos líquidos de R$ 86,5 bilhões neste ano, com avanço de 29,4% em relação aos primeiros cinco meses de 2018.

Os fundos de ações são o destaque positivo do ano, com captação líquida de R$ 19,7 bilhões entre janeiro e maio. O resultado ainda está 8,2% abaixo do mesmo período do ano passado, quando foram registrados R$ 21,5 bilhões. “A percepção do mercado e dos investidores de que os juros devem permanecer baixos por um longo período permanece estimulando a diversificação das carteiras”, afirma Carlos André, vice-presidente da ANBIMA.

Na sequência aparecem os fundos de previdência, com R$ 10,7 bilhões e alta de 14,6% sobre os primeiros cinco meses de 2018. A maior captação líquida do ano é, entretanto, dos FIDCs (fundos de investimento em direitos creditórios), com R$ 43,1 bilhões, a partir de movimentos pontuais e concentrados em alguns fundos da classe.

Em relação aos retornos proporcionados aos investidores, as médias da maioria dos fundos seguem positivas. Em maio, o aumento da percepção do mercado de que há probabilidade de redução adicional da Selic refletiu nos resultados, principalmente dos produtos de prazos mais longos. No ano, os tipos Renda Fixa Duração Alta Soberano (que investe somente em títulos públicos federais com prazos maiores) e Renda Fixa Duração Alta Grau de Investimento (que investe, no mínimo, 80% da carteira em títulos públicos federais com prazos maiores), tiveram rentabilidades médias de 8,60% e de 6,21%, respectivamente.

Entre os fundos de Ações, o tipo Índice Ativo (cuja gestão tem o objetivo de superar o benchmark, como o Ibovespa) acumula retorno médio de 11,32% e o tipo Livre (que não tem o compromisso de seguir uma estratégia específica) chega a 11,06% no ano. Já nos Multimercados, tipo Macro (que realiza operações com estratégias baseadas em cenários macroeconômicos de médio e longo prazos) tem rentabilidade média de 4,71% entre janeiro e maio.

Confira o boletim completo.

Sobre a ANBIMA

A ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) representa mais de 250 instituições de diversos segmentos. Dentre seus associados, estão bancos comerciais, múltiplos e de investimento, asset managements, corretoras, distribuidoras de valores mobiliários e consultores de investimento. Ao longo de sua história, a Associação construiu um modelo de atuação inovador, exercendo atividades de representação dos interesses do setor; de regulação e supervisão voluntária e privada de seus mercados; de oferta de produtos e serviços que contribuam para o crescimento sustentável dos mercados financeiro e de capitais; e de educação para profissionais de mercado, investidores e sociedade em geral.