• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Imprensa

Volume administrado por gestores de patrimônio avança 20,5% em 2018

Os recursos administrados pelas casas de gestão de patrimônio alcançaram R$ 116,4 bilhões em 2018, o que representa avanço de 20,5% em relação a 2017. O número de grupos econômicos atendidos pelo segmento também cresceu 25,5% no período (para 7.178), de acordo com as estatísticas da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

“O segmento de gestão de patrimônio se beneficiou da valorização dos ativos e também do crescimento das aplicações por meio de plataformas eletrônicas. Além disto, foi um ambiente propício com os juros mais baixos e, consequentemente, a busca dos investidores por aconselhamento de profissionais especializados”, afirma Alexandre Braga, vice-presidente do Comitê de Gestão de Patrimônio da ANBIMA.

Os ativos de renda variável (como ações e fundos de ações) foram os que mais ampliaram espaço nas carteiras dos clientes das gestoras de patrimônio: o volume passou de R$ 14,9 bilhões, em 2017, para R$ 20,5 bilhões em 2018. Esses produtos representam 17,6% do total administrado. A maior participação, entretanto, permaneceu na renda fixa, com 48,1%. O volume desses ativos aumentou de R$ 48,2 bilhões (em 2017) para R$ 56 bilhões (em 2018). A aplicação em cotas de fundos multimercados apareceu na sequência, com fatia de 25,1% (volume de R$ 29,2 bilhões). Completaram as carteiras as cotas de fundos estruturados (participação de 6,6% e volume de R$ 7,7 bilhões), de previdência (1,8% e R$ 2,1 bilhões) e de outros ativos em geral (0,8% e R$ 944 milhões).

A distribuição do volume gerido pelas casas de gestão de patrimônio e dos grupos econômicos atendidos em cada região geográfica manteve em 2018 a tendência observada nos anos anteriores. O Sudeste liderou a concentração de recursos, com R$ 99,8 bilhões, e o número de grupos econômicos, com 5.872.

Confira as estatísticas completas de gestores de patrimônio.

 

Sobre a ANBIMA

A ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) representa mais de 250 instituições de diversos segmentos. Dentre seus associados, estão bancos comerciais, múltiplos e de investimento, asset managements, corretoras, distribuidoras de valores mobiliários e consultores de investimento. Ao longo de sua história, a Associação construiu um modelo de atuação inovador, exercendo atividades de representação dos interesses do setor; de regulação e supervisão voluntária e privada de seus mercados; de oferta de produtos e serviços que contribuam para o crescimento sustentável dos mercados financeiro e de capitais; e de educação para profissionais de mercado, investidores e sociedade em geral.