• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Boletim de Fundos de Investimentos

Indústria de fundos registra resgate de R$ 25,9 bilhões em junho

 

Em junho, a indústria de fundos de investimento registrou uma saída de recursos de R$ 25,9 bilhões, o pior resultado mensal do segmento desde outubro de 2008. No semestre, a captação líquida manteve-se positiva em R$ 36,4 bilhões contra 129,3 bilhões do mesmo período de 2017.

Entre as classes de fundos, somente os cambiais registraram captação positiva em junho (R$ 982,2 milhões). As maiores saídas líquidas de recursos foram na Renda Fixa, que registrou captações líquidas negativas de R$ 15,9 bilhões em junho e R$ 21,8 bilhões no ano. Os Multimercados foram na mesma direção, com perda de R$ 11,4 bilhões no mês, mas mantendo o saldo positivo no semestre (R$ 33,6 bilhões). O mesmo aconteceu com os fundos de ações, que perderam R$ 1,8 bilhões no mês e registraram captação líquida positiva de R$ 18,6 bilhões em 2018.

 

CAPTACAO_LIQUIDA_POR_CLASSE_ANBIMA_NO ANO_R_BI.png

 

Os tipos de fundos de renda fixa que registraram as maiores saídas de recursos em junho foram duração livre grau de investimento e indexados, R$ 11,5 bilhões e R$ 7,7 bilhões, respectivamente, e no ano, R$ 18,2 bilhões e R$ 5,3 bilhões nesta ordem. A deterioração das expectativas do quadro político e econômico a partir do final de maio acirrou a aversão ao risco dos investidores, principalmente diante da incerteza do quadro eleitoral, refletida boa parte na maior volatilidade dos preços dos ativos.  Este ambiente somado a perspectiva de manutenção de juros baixos no curto e médio prazo tornou o cenário desafiador para os fundos de renda fixa.

Para os fundos multimercados, os resultados negativos nos dois últimos meses podem revisar as estratégias de maior exposição ao risco que estas classes vinham adotando desde o segundo semestre do ano passado, em função do ritmo de queda acentuado dos juros da economia. A possibilidade de que o ambiente mais hostil permaneça por mais tempo exigirá uma realocação de recursos nestas carteiras que possam mitigar os riscos e recuperar as perdas recentes. O tipo Multimercado Macro (captação negativa de R$ 3,9 bilhões em junho), que mantém estratégias em sintonia com a mudança de cenários, pode apresentar janelas de oportunidades. Seu histórico favorável em 12 meses -  captação R$ 29,5 bilhões e rentabilidade de 11,38% -  ratifica estas apostas. O tipo Multimercados Livre registrou resultado positivo, entrada de R$ 2,0 bilhão, com captação acumulada no ano de R$ 22,3 bilhões.

 

Grafico_Capt_Fundos_Acoes_e_Multi_vs_tx_de_juros.png

 

As rentabilidades dos fundos foram impactadas pelo desempenho negativo dos ativos de prazos mais longos, refletido nos sub-indices do IMA. O IRF-M1+ (prefixados acima de um ano) e o IMA-B 5+ (NTN-Bs acima de cinco anos) recuaram 0,15% e 1,08% respectivamente.  O tipo Multimercado Long and Short Neutro, que mantém a melhor performance entre os multimercados no ano (7,34%), registrou variação em junho de 0,79%. O Multimercado Long and Short Direcional recuou no mês 0,14%, acumulando no primeiro semestre um retorno de 5,0%. A trajetória negativa do Ibovespa comprometeu o desempenho dos fundos de ações – todos os tipos apresentaram retorno negativo em junho. O tipo Fundo de Ações Livre, o de maior patrimônio de ações, recuou no mês e no ano, 3,75% e 3,46%, respectivamente.