• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Boletim Renda Fixa

Prefixados longos registram a melhor performance em fevereiro

Em fevereiro, o IMA-Geral, índice da ANBIMA que espelha a variação da carteira dos títulos públicos em mercado, registrou retorno de 0,72% no mês.  A trajetória das NTN-Bs em mercado, expressa pelo IMA-B, avançou 0,55%. Entre os sub-índices, o IMA-B5+, que reflete a carteira das NTN-Bs acima de cinco anos, variou 0,56%, enquanto o IMA-B5, até cinco anos, variou 0,54%.

O grande destaque foram os títulos prefixados de maior duration. O IRF-M1+, que reflete os títulos prefixados acima de um ano, registrou variação de 1,32%, acumulando no ano 2,88%. A perspectiva de que a taxa de juros permaneça baixa por mais tempo vem permitindo uma valorização destes ativos. Essa percepção foi reforçada após o resultado do IPCA de janeiro, 0,29%, abaixo do previsto pelo mercado.

RENDAFIXA01.jpg

Em relação à performance dos títulos corporativos, o IDA-IPCA Infraestrutura, índice da ANBIMA que representa a carteira em mercado das debêntures incentivadas, apresentou retorno de 0,66%, acumulando 2,70% no ano, a melhor performance entre os sub-índices do IDA. Após o desempenho de 2017, quando o IDA IPCA Infraestrutura variou 8,18% diante do retorno de 15,04% do IDA IPCA ex-infraestrutura, ocorreu um ajuste nos prêmios destes papéis, que por apresentarem maior duration, tiveram um aumento mais significativo nos seus preços.

RENDAFIXA02.jpg

Os dados de emissão bancária no ano, até fevereiro, reforçam a tendência observada em 2017, quando ocorreu um crescimento dos CDBs diante da queda dos demais títulos, sobretudo as Letras Financeiras, as LCIs e LCAs.  Neste ano, o estoque de CDBs avançou 3,92%, enquanto houve um leve aumento das Letras Financeiras (0,78%) e das LCAs (0,05%) e uma queda de 1,92% das LCIs, indicando que o segmento ainda vem sendo impactado pelos eventos dos últimos anos, sobretudo a menor oferta de lastro de crédito imobiliário e agrícola e a redução nos prazos das operações de crédito, que compromete os títulos com prazos mínimos de emissão.