• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Notícias

Captação líquida dos fundos chega a R$ 36,4 bilhões no primeiro semestre

Em junho, indústria sofreu resgates líquidos de R$ 25,8 bilhões

Os resgates líquidos de R$ 25,8 bilhões que a indústria brasileira de fundos sofreu no mês de junho puxaram para baixo a captação acumulada no primeiro semestre do ano, que foi de R$ 36,4 bilhões (positivos). De acordo com o Boletim de Fundos de Investimento, nos primeiros seis meses de 2017, os ingressos líquidos dos fundos de investimento haviam chegado a R$ 129,3 bilhões, enquanto a média dos últimos cinco anos é de R$ 48,3 bilhões.

Carlos Andre.jpg“Este é o momento em que os gestores estão reagindo às volatilidades do cenário para readequarem suas carteiras. O mercado é naturalmente cíclico e é importante que o investidor evite a tomada de decisões precipitadas”, afirma Carlos André, nosso vice-presidente. “Resgatando recursos sem necessidade, por receio de perdas, ele acaba cristalizando um prejuízo que poderia ser recuperado no médio ou longo prazo”, completa.

Receba essas e outras publicações gratuitamente em seu e-mail. Cadastre-se!

No acumulado do primeiro semestre, os multimercados lideram entre as demais classes de fundos, com R$ 33,6 bilhões (contra R$ 42,9 bilhões no mesmo período de 2017), seguidos pelos fundos de ações, cujos ingressos líquidos de R$ 18,6 bilhões reverteram os resgates líquidos de R$ 3,1 bilhões dos primeiros seis meses do ano passado. A renda fixa apresenta a maior perda: fechou o semestre com resgates líquidos de R$ 21,8 bilhões (no mesmo intervalo do ano passado, a captação foi positiva, de R$ 56,8 bilhões).

Em relação aos retornos que os fundos proporcionaram aos investidores no semestre, destaque aos multimercados: o tipo Long and Short Neutro apresentou a melhor performance da classe no ano (7,34%). O Long and Short Direcional acumulou no período rentabilidade média de 5%.

Na renda fixa, os fundos de prazos mais longos seguem trazendo os melhores retornos. O tipo Duração Alta Grau de Investimento teve rentabilidade média de 4,5%. A trajetória negativa do Ibovespa comprometeu o desempenho dos fundos de ações: os principais tipos apresentaram retornos negativos no primeiro semestre.

Notícias relacionadas

Não foram encontrados resultados para esta consulta.