Notícias

Por que poupar é tão difícil?

O ser humano prefere um pequeno benefício presente a um conquista futura. Esse é o grande dilema que impede as pessoas de poupar e é o mote do Seminário Como Investir em Você, que acontece nesta quinta, na Bienal de São Paulo, em paralelo com o 9º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento.
Sala-Verde_07-1024x683.jpg

“Poupar não é só para milionários. Não importa se você investe R$ 50,00, R$ 100,00 ou R$ 100 mil. Investir é para todos, é democrático”, disse José Carlos Doherty, nosso superintendente-geral na abertura do evento. Ele também apresentou as iniciativas da Associação aos mais de 100 universitários que participam do seminário.

Martin Iglesias, vice-presidente do Comitê de Educação de Investidores, afirmou que guardar dinheiro realmente é difícil. “Quem nunca pensou que ‘esse ano vou me exercitar’, colocou o despertador para acordar cedo e no dia seguinte não foi? Na hora em que você disse que ia se exercitar era verdade, como na hora em que você desistiu também. Enganar a gente é mais difícil do que enganar os outros. Costumo dizer que é algo sofisticado”, brincou. A poupança está no mesmo jogo: é preciso autocontrole no presente. “É tão mais fácil poupar o salário do mês que vem”, afirmou. Essa dificuldade tem explicação científica: a área do cérebro que pensa no presente é mais recente e é dez vezes mais fraca do que a parte impulsiva.

Para driblar esse comportamento há alguns mecanismos de defesa. A famosa planilha de gastos é um deles, no entanto, para não se tornar uma atividade cansativa, Iglesias sugere que seja feita apenas com o relato dos gastos vilãos: vestuário, eletroeletrônicos, lazer, alimentação. Separar o dinheiro contado para cada finalidade do mês em envelopes funciona também, mas em tempos de cartão de débito, não é mais uma prática tão usual. Para isso temos uma infinidade de aplicativos à disposição. Outra saída são as programações de aplicações automáticas. Assim que o salário cai na conta, o dinheiro destinado à poupança já sai para outra conta ou aplicação, evitando que seja gasto. “Se a pessoa ganha e poupa só o que sobra, nunca sobrará. Se você guarda antes de começar a gastar, a coisa se inverte”, explica o executivo.