• Impactos da Covid-19.
  • Conteúdos especiais.
  • Eventos.
  • Fale Conosco.
  • Imprensa.
  • A CGA e as novas certificações ANBIMA para a carreira de gestão

    A indústria brasileira de fundos de investimento é responsável pela gestão de R$ 5,7 trilhões de reais distribuídos por mais de 20 mil fundos. Por trás de grandes números, temos um grupo seleto de profissionais responsáveis pelo bom funcionamento desses veículos de investimento: os gestores. O cargo, que representa o topo da carreira no setor, só pode ser exercido por quem tem a CGA, certificação que lançamos em 2009 e já tem cerca de 4 mil certificações emitidas.

    Passados 10 anos de seu lançamento, iniciamos um longo trabalho para entender a atual dinâmica deste segmento e quais as necessidades de qualificação de quem trabalha com gestão profissional de recursos de terceiros no Brasil. O trabalho contou com conversas com os próprios gestores para entender como evoluíram as suas atividades nos últimos anos. Isso permitiu detalhar as responsabilidades e atribuições atuais destes profissionais e o caminho que eles trilham em suas carreiras até chegar na posição.

    Em uma década, a indústria de fundos brasileira também mudou. Em 2009, seu patrimônio líquido era de R$ 1,4 trilhão divididos em pouco mais de 8 mil fundos. Hoje, esse número passa de R$ 5,7 trilhões em 21 mil fundos. Essa evolução também foi visível entre os produtos estruturados. Em 2009, existiam apenas 330 fundos destas classes em operação no país, com total de recursos de R$ 82 bilhões investidos por 143 mil contas. Atualmente, o Brasil conta com 2700 fundos estruturados com um patrimônio que ultrapassa de R$ 665 bilhões e mais de 3,2 milhões de contas investidoras. O crescimento da indústria impôs a necessidade de profissionais cada vez mais qualificados e preparados para a sofisticação inerente ao crescimento do mercado, elevando a régua de responsabilidade dos gestores.

    Outro ponto crucial identificado foi a dificuldade de definir a trajetória de carreira para aqueles profissionais que aspiram ser gestores. Havia uma lacuna para se atestar conhecimento no setor para analistas, trainees e outros cargos de entrada. As gestoras de recursos tentavam suprir a lacuna com outras certificações, mas elas eram, geralmente, ou muito avançadas ou muito básicas para o cargo e pouco focadas na atividade principal do negócio: a gestão.

    Diante deste cenário, a CGA foi reformulada para se adequar à nova realidade da indústria. O trabalho resultou na divisão em três novas certificações: a CFG, certificação que atesta o conhecimento dos fundamentos de gestão; a CGE, que habilita profissionais a serem gestores de fundos estruturados; e a CGA, que autoriza a gestão dos fundos mais “tradicionais”. Juntas, elas criam uma trilha de carreira para o setor. O profissional pode iniciar com a CFG e depois optar por seguir dois caminhos distintos, de acordo com os seus objetivos de carreira, conforme o diagrama abaixo:

    Nesta página, você conhece nossas novas certificações com mais detalhes. Os novos exames das novas certificações começarão a ser aplicados até abril de 2021. As inscrições serão abertas em breve.

  • Conheça as novas certificações ANBIMA

    Certificação ANBIMA
    de Fundamentos em Gestão

    Porta de entrada para o mercado de gestão, é indicada para quem quer acelerar sua carreira e busca um diferencial para ocupar cargos no setor. Por isso, não é obrigatória para nenhuma função e nem habilita o profissional a ser gestor.

    Saiba mais

    Certificação de Gestores ANBIMA


    Habilita o profissional a atuar com gestão profissional de recursos de terceiros em fundos de investimento de renda fixa, de ações, cambiais e multimercados. Para se certificar, é pré-requisito ter CFG, CFA ou CAIA.

    Saiba mais

    Certificação de Gestores ANBIMA
    para Fundos Estruturados

    Habilita a atuação em gestão profissional de recursos de terceiros na indústria de produtos estruturados. O profissional certificado poderá ser gestor de FIPs, FIDCs e fundos imobiliários. Para se certificar, é pré-requisito ter CFG, CFA ou CAIA.

    Saiba mais

  • Confira como serão os exames da CFG, da CGA e da CGE

    As provas para as novas certificações começarão a ser aplicadas a partir de março de 2021. Confira abaixo como serão os exames:

  • Validade e atualização

    O mercado financeiro brasileiro é muito dinâmico. Isso exige que os profissionais certificados estejam sempre atualizados sobre os principais temas do mercado para garantir o bom exercício da função. Por isso, adotamos um sistema de atualização para reciclagem dos conhecimentos necessários para continuar atuando como gestor de recursos de terceiros.

    Validade
    O prazo de validade das certificações CFG, CGA e CGE é de 3 anos a partir da data de aprovação no exame. Os profissionais certificados precisam atualizá-las até a data de vencimento para mantê-las validas por mais 3 anos. Para atualizar, é necessário realizar um curso online oferecido pela ANBIMA. Após a conclusão, a certificação é renovada automaticamente.

    Exceções

    Por atuação
    Os profissionais CGA que atuam como gestores de renda fixa, de ações, cambiais ou multimercados em empresas aderentes ao Código ANBIMA de Certificação têm a certificação válida por tempo indeterminado enquanto continuarem atuando na função. O mesmo é válido para os profissionais CGE que atuam como gestores de fundos imobiliários, FIPs ou FIDCs em empresas aderentes ao Código de Certificação.

    Por dominância
    O vencimento da CFG será sempre na mesma data da CGA ou CGE para os profissionais que as possuem. A data é atualizada quando o profissional CFG conquista qualquer uma das certificações superiores ou conclui sua atualização. Dessa forma, quem possui CGA ou CGE precisa atualizar apenas a certificação superior e a CFG será atualizada automaticamente.

  • Transição

    Os exames das novas certificações começarão a ser aplicados a partir de março de 2021. Até lá, continuarão abertas as inscrições para quem deseja se certificar no modelo atual. Os candidatos deverão, no entanto, observar o cronograma de transição para concluir o processo de certificação dentro dos prazos estipulados, considerando a disponibilidade de vagas para os exames.

      • Últimas Notícias
      • PERGUNTAS E RESPOSTAS

        A CGA (Certificação de Gestores ANBIMA) é uma certificação que habilita as pessoas a atuar com gestão profissional de recursos de terceiros em fundos de investimento de renda fixa, de ações, cambiais e multimercados.

        A CGE (Certificação de Gestores ANBIMA para Fundos Estruturados) é uma certificação que habilita pessoas a atuar com gestão profissional de recursos de terceiros em de fundos de investimento em participações (FIP), fundos de investimentos em direitos creditórios (FIDC) e fundos de investimento imobiliários (FII).

        A CFG (Certificação ANBIMA de Fundamentos em Gestão.) é uma certificação para quem quer iniciar ou acelerar sua carreira na área de gestão de recursos de terceiros. O profissional terá um diferencial de conhecimento para ocupar diversos cargos em empresas que fazem gestão, mas não poderá atuar com gestor de recursos. Para isso, é preciso ser certificar também com a CGA e/ou a CGE, para as quais a CFG é requisito

        Sim, ser certificado com a CFG é pré-requisito para conquistar a CGA e/ou a CGE e poder atuar como gestor de recursos de terceiros.

        O primeiro exame da CFG será aplicado em março de 2021. Já os exames da nova CGA e da CGE começam em abril.

        Para ser CGA é preciso ter a certificação CFG (Certificação ANBIMA de Fundamentos em Gestão), CFA (Chartered Financial Analyst) ou CAIA (Chartered Alternative Investment Analyst) e ser aprovado no exame de certificação.

        Para ser CGE é preciso ter a certificação CFG (Certificação ANBIMA de Fundamentos em Gestão), CFA (Chartered Financial Analyst) ou CAIA (Chartered Alternative Investment Analyst) e ser aprovado no exame de certificação.

        Para ser CFG é preciso apenas ser aprovado no exame de certificação. Não existem pré-requisitos.

        A CGA é obrigatória para gestores de recursos de terceiros em fundos de renda fixa, de ações, cambiais e multimercados.

        A CGE é obrigatória para gestores de fundos imobiliários, fundos de investimento em participações e fundos de investimento em direitos creditórios.

        A CFG não é obrigatória para ocupar nenhum cargo. Ela é uma certificação de distinção e, atesta que o profissional tem sólidos conhecimentos no segmento de gestão de recursos de terceiros. Esse é um diferencial para atuar em diversos cargos em empresas do mercado financeiro, em especial em asset managements. Lembrando que a CFG não permite atuar como gestor, para isso é preciso ter a CGA ou a CGE.

        Depende da situação do profissional. Caso ele esteja atuando com gestão profissional de recursos de terceiros em fundos de renda fixa, de ações, cambiais e multimercados em uma empresa que segue nosso Código de Certificação, a CGA continuará válida enquanto ele estiver nesta situação. Nos demais casos, a validade é de 3 anos.

        Depende da situação do profissional. Se ele estiver atuando com gestão profissional de recursos de terceiros em fundos estruturados e em uma empresa que segue nosso Código de Certificação, a CGE continuará válida enquanto ele estiver nesta situação. Para todos os outros casos, a validade é de 3 anos.

        A CFG tem validade de 3 anos.

        A atualização será feita por meio de curso online, como já é hoje.

        O exame da CGA é presencial, tem 45 questões e 2h30 de duração. Para ser aprovado, o candidato precisa acertar no mínimo 70% das questões. Lembrando que, para se inscrever é preciso ter a certificação CFG, CFA ou CAIA. A prova possui questões de 6 grandes temas: gestão de carteiras - renda variável; gestão de carteiras - renda fixa; investimentos no exterior; avaliação de desempenho; gestão de risco; e legislação, regulação e tributação. Consulte o programa detalhado para a lista completa de tópicos e as orientações de estudos para saber qual o nível de conhecimento esperado dos candidatos em cada um deles.

        O exame da CGE é realizado presencialmente, tem 45 questões e 2h30 de duração. Para ser aprovado, o candidato precisa acertar no mínimo 70% das questões. Não se esqueça que para se inscrever, é preciso ter a certificação CFG, CFA ou CAIA. A prova possui questões de 8 grandes temas: investimentos imobiliários; private equity; securitização de recebíveis; fundos de índice; investimentos no exterior; avaliação de desempenho; gestão de risco; e legislação, regulação e tributação. Consulte o Programa Detalhado para a lista completa de tópicos e as orientações de estudos para saber qual o nível de conhecimento esperado dos candidatos em cada um deles.

        O exame da CFG é realizado presencialmente, tem 60 questões e 3h de duração. Para ser aprovado, o candidato precisa acertar no mínimo 70% das questões. A prova possui questões de 12 grandes temas: métodos quantitativos; economia; análise de relatórios financeiros; finanças corporativas; mercados e instrumentos financeiros; teoria moderna de carteiras e modelos de precificação de ativos; finanças comportamentais; política de investimento; alocação de ativos; novas tecnologias em finanças; ética e autorregulação; e legislação e regulação. Consulte o Programa Detalhado para a lista completa de tópicos e as orientações de estudos para saber qual o nível de conhecimento esperado dos candidatos em cada um deles.

        Sim! Os profissionais que tiverem as três certificações, estarão habilitados a atuar ambos os segmentos da CGA e da CGE.

        Sua certificação será convertida automaticamente para as três novas. Na prática, nada muda. A sua certificação atual já te permitia atuar em todos os segmentos para os quais a CGA e a CGE são necessárias.

        Você pode continuar o processo normalmente, mas atente-se para os prazos: você precisa ser aprovado em um dos dois módulos de exames até março de 2021. Após essa data, você terá até julho para ser aprovado no próximo.

        Os exames no modelo atual serão aplicados até julho de 2021. Mas fique atento ao cronograma: até março de 2021, os exames serão aplicados normalmente. Mas de abril a julho, só poderão agendar a prova quem tiver módulo pendente para conclusão do processo de certificação. Ou seja, quem se inscrever a partir de agora precisa ser aprovado em um dos dois exames da CGA até março. Depois, terá até julho para ser aprovado na prova que falta.

        Ainda não temos previsão para abertura das inscrições.

        Não. Os conteúdos dos exames estão organizados de formas diferentes. Dessa forma, não há equivalência entre eles.

        A CFG atesta que o profissional tem conhecimentos nos assuntos que são a base do mercado brasileiro de gestão de fundos de investimento. Para atuar como gestor é preciso ter a CGA ou a CGE, que atestam conhecimentos específicos da gestão.

        A ANBIMA não fornece materiais de estudo da CGA, da CGE ou da CFG. Você pode conferir o programa detalhado de cada certificação para conhecer os temas que são cobrados nas provas e organizar seus estudos.

        Não. Os cursos podem te ajudar a se aprofundar em diversos temas de mercados, mas eles não necessariamente são abordados com a profundidade necessária para realizar nossos exames de certificação.