• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Notícias

Mercado de capitais: três primeiros IPOs de 2018 movimentam R$ 6,8 bilhões

Volume quase dobra em relação ao mesmo período de 2017

Em abril, os IPOs (ofertas iniciais de ações) lideraram as captações de recursos das empresas brasileiras via mercado de capitais, movimentando R$ 6,8 bilhões nas três primeiras operações do ano. De acordo com nosso Boletim de Mercado de Capitais, o resultado é praticamente o dobro do volume registrado no primeiro quadrimestre de 2017, de R$ 3,5 bilhões.

Receba essas e outras publicações gratuitamente em seu e-mail. Cadastre-se!

 As três operações, que contaram com emissões primárias e distribuições secundárias dos ativos, foram feitas pela Hapvida Participações e Investimentos (R$ 3,3 bilhões), pela Intermédica Participações (R$ 2,7 bilhões) e pelo Banco Inter (R$ 0,7 bilhão). Quando somadas as operações de follow-on, entretanto, os R$ 6,9 bilhões captados ficaram 40% abaixo do montante arrecadado em 2017 (R$ 11,4 bilhões).

Confira também os resultados de fundos de investimento em abril.

Mercado local

A captação total das companhias brasileiras em 2018, até abril, também superou o montante apurado no mesmo período do ano anterior: foram R$ 52,5 bilhões ante R$ 40,3 bilhões em 2017.

“A queda da inflação e a redução da taxa de juros incentivam a busca das empresas por recursos, mesmo com a expectativa de volatilidade por conta das eleições”, explica José Eduardo Laloni, diretor da ANBIMA. “O mais promissor é o fato de grande parte desses recursos terem sido destinados para investimentos”, acrescenta. Entre as ofertas de ações, 94,6% dos recursos foram destinados à aquisição de ativos ou de atividades operacionais. Já entre as debêntures, 27,1% foram para o financiamento de infraestrutura, ante 12,1% no primeiro quadrimestre de 2017.

Veja o Boletim de Renda Fixa com dados de abril de 2018.

Debêntures

As debêntures foram o segundo ativo mais utilizado pelas companhias em abril deste ano, com captação de R$ 6,7 bilhões. Entre o montante, 41% maior que os R$ 4,8 bilhões do mesmo período de 2017, destacam-se as operações da Celse (Centrais Elétricas de Sergipe) e do Atacadão, que movimentaram R$ 3,4 bilhões e R$ 1,5 bilhão, respectivamente. Os setores de energia elétrica; transporte e logística; e assistência médica responderam por 33,8%, 13,9% e 12,6% do volume das 59 ofertas de debêntures realizadas no ano.

Mercado internacional

Em relação ao mercado internacional, as empresas locais levantaram R$ 36,1 bilhões nos primeiros quatro meses deste ano em operações de renda fixa. No mesmo período de 2017, foram R$ 34,7 bilhões, entre emissões de renda fixa e variável.