• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Boletim de Mercado de Capitais

IPOs movimentam R$ 6,8 bilhões em abril

 

Em abril, as ações lideraram as captações de recursos pelas companhias. No mês foram realizados três IPOs – ofertas iniciais de ações – que movimentaram R$ 6,8 bilhões, tanto com emissões primárias, como distribuições secundárias dos ativos. As ofertas da Notre Dame Intermédica Participações, da Hapvida Participações e Investimentos – ambas do segmento de assistência médica – e do Banco Inter movimentaram, respectivamente, R$ 2,7 bilhões, R$ 3,3 bilhões e R$ 0,7 bilhão, inaugurando os IPOs em 2018. As operações ocorrem em um momento favorável da bolsa, que registrou em abril seu quinto mês consecutivo de alta. O resultado dos IPOs no ano é praticamente o dobro do volume realizado no mesmo período de 2017 (de R$ 3,5 bilhões). Contudo, levando-se em conta também as operações de follow-ons de ações, o resultado de 2018 ainda está 40% aquém do montante captado em 2017.

O segundo ativo mais utilizado pelas companhias no mês foram as debêntures, com ofertas que movimentaram R$ 6,7 bilhões, volume que também superou os R$ 4,8 bilhões de 2017. Os destaques entre as operações foram a captação da CELSE – Centrais Elétricas de Sergipe, que movimentou R$ 3,4 bilhões, e da Atacadão, com volume de R$ 1,5 bilhão. Em 2018, 15 setores já realizaram ofertas de debêntures, com 59 operações. Entre os setores que mais se utilizaram do instrumento estão os de energia elétrica, que concentrou 33,8% das operações, e os setores de transporte e logística e de assistência médica, com, respectivamente, 13,9% e 12,6% do volume total.

 

Grafico_Setores.png

 

 

Em 2018, as captações locais das companhias chegam a R$ 52,5 bilhões, com um avanço expressivo em comparação aos R$ 40,3 bilhões captados no mercado local nos primeiros quatro meses de 2017, e também superior ao volume obtido pelas companhias no mercado internacional em 2018, que foi de R$ 36,1 bilhões. Essa movimentação demonstra que, a despeito das expectativas de volatilidade em função do ano eleitoral, a queda da inflação e dos juros tem incentivado o aumento da busca de recursos pelas companhias, e o que é mais promissor, com destinação para investimentos. Entre as ofertas de ações, 94,6% dos recursos foram destinados à aquisição de ativos ou de atividades operacionais. Enquanto isso, entre as debêntures, passou de 12,1% para 27,1% o volume de debêntures destinadas ao financiamento de infraestrutura, na comparação entre o primeiro quadrimestre de 2017 e o mesmo período de 2018.

 

Grafico_Domestico.png