• Eventos.
  • Imprensa.
  • Fale Conosco.

Notícias

Certificação dos bankers deve avançar junto com educação continuada

painel 3_todos.jpg
Juliana Laham, do Bradesco, Eduardo Hazarabedian, do Itaú Unibanco, Ismael Santos, do Banco do Brasil, Marcos  Vaitkevicius, Safra, e Silvia Pannuti, do Santander, discutiram a importância de se atualizar no mercado

Apesar da chancela de distinção, a certificação CFP (Certified Financial Planner), concedida pela associação Planejar, não é suficiente para os bankers se diferenciarem no mercado: é necessário se reciclar sempre. 

+ Acompanhe a cobertura em tempo real do evento no nosso Instagram

“A educação continuada está nas soft skills, ou seja, como os bankers podem ajudar na governança familiar, no comportamental, sendo sempre um contraponto do cliente ao questionar decisões familiares com olhar crítico. Essa é sua diferenciação aos demais players do mercado”, afirmou Jan Karsten, nosso diretor e presidente da Planejar em painel do 7º Seminário de Private, que acontece na quarta-feira, dia 11, em São Paulo.

3 - juliana laham.PNG
Juliana Laham, do Bradesco, moderou o debate e falou sobre os ganhos que a tecnologia propricia aos bankers

Para Juliana Laham, do Bradesco, a certificação CFP passa a ser o mínimo requerido. A chegada das novas tecnologias libera tempo para os bankers de rotinas operacionais, permitindo desempenharem a essência do trabalho: sentar com o cliente e ter uma visão holística sobre ele.“Cabe a nós continuar sendo essenciais neste relacionamento, transformando informação em conhecimento, conhecendo o cliente não só na geração atual, mas nas seguintes”, afirmou Marcos Tadeu Vaitkevicius, do Safra.

+ Private deve repensar forma de trabalho dos bankers e usufruir das novas tecnologias

A elevação da barra do conhecimento dos bankers foi uma das discussões – atualmente a atualização da certificação é feita por um programa de educação continuada contabilizado por pontos. “Se queremos uma atualização só para manter a certificação e bater a meta, não estamos ajudando nós mesmos, nem a instituição, nem a classe. Como nos interessamos mais? Incluindo outros temas e diferenciando o banker atual do banker do futuro, que está um nível acima na prestação de serviço e nas soluções entregues”, afirmou Eduardo Hazarabedian, do Itaú Unibanco. Para Silvia Pannuti, do Santander, seria interessante focar em temas que se apliquem diretamente a estes profissionais, enquanto Ismael Santos, do Banco do Brasil, reforçou a necessidade de agregar valor à certificação por meio da educação continuada.

Raio X do CFP

Presente em 26 países e com 181 mil profissionais, a certificação tem evoluído e cresceu 17% na comparação de 2018 com 2017.

Por aqui, estamos em 8º lugar no ranking, com 4 mil profissionais. O Brasil apresenta uma peculiaridade: é o país com o menor índice de aprovação na prova (21%). Na sequência, aparece Hong Kong com 34%.

3 - jan karsten.PNG
Jan Karsten, nosso diretor e presidente da Planejar, apresentou o panorama da certificação CFP no Brasil e no mundo

 

São quatro os públicos da certificação: private bankers, profissionais do segmento de alta renda, consultores de valores mobiliários ou independente e agentes autônomos. “Procuramos produzir mais e mais conteúdo específico para cada um destes agentes. E o private puxa a régua de todos os públicos para cima”, falou Karsten.

 

Notícias relacionadas

Não foram encontrados resultados para esta consulta.