• Empresas fiscalizadas.
  • Fale Conosco.
  • Imprensa.

Notícias

Empresas brasileiras emitem R$ 34 bi no mercado de capitais em julho

Volume de captações é o segundo maior do ano, atrás apenas do mês de fevereiro

As emissões das empresas brasileiras no mercado de capitais totalizaram R$ 34 bilhões em julho. De acordo com o Boletim de Mercado de Capitais, o volume representa o segundo maior resultado de 2020, atrás apenas do mês de fevereiro, quando foram registrados R$ 47,3 bilhões. No acumulado do ano, o total de R$ 185,5 bilhões representa queda de 20,7% em relação ao mesmo período de 2019.

“Mesmo no início da pandemia, o mercado de capitais não parou de funcionar, ainda que tenha adotado um ritmo mais lento. Vemos agora uma retomada, principalmente das emissões de ações. Diversas empresas têm iniciado ou retomado seus processos de IPO (oferta inicial) na bolsa, buscando financiar seus projetos por meio deste instrumento”, afirma José Eduardo Laloni, nosso vice-presidente.

+ Confira a íntegra do Boletim de Mercado de Capitais

O destaque de julho ficou com a renda variável: sete ofertas foram realizadas no mês – o maior número desde o início do ano. O volume de R$ 13,9 bilhões, entretanto, ficou atrás de fevereiro, quando cinco operações totalizaram R$ 27,4 bilhões. No ano, as emissões somam R$ 50,8 bi, pouco acima do montante registrado entre janeiro e julho do ano passado (R$ 49,9 bilhões).

Na renda fixa, as emissões de debêntures totalizaram R$ 5,9 bilhões em julho, o que representa queda de 40,8% em relação a junho. Mesmo assim, o instrumento tem a maior participação no volume total de emissões no mercado de capitais este ano, de 29,5% (R$ 54,7 bi). Já as notas promissórias, cujas emissões bateram recorde mensal em abril (de R$ 13,1 bilhões), caíram para R$ 23 milhões em julho.

Os fundos imobiliários, híbridos entre renda fixa e variável, captaram R$ 4,5 bilhões em julho, acompanhando a performance positiva do segmento imobiliário neste ano, mesmo após o início da pandemia. No acumulado de 2020, as captações com estes instrumentos chegam a R$ 23,1 bilhões, o que representa aumento de 48,7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No mercado externo, sete negócios foram realizados em julho, todos de renda fixa, no total US$ 3,7 bilhões (R$ 19,6 bilhões). O montante é 48,2% maior do que o verificado no mesmo período de 2019. No ano, até julho, foram 20 operações no exterior, entre renda fixa e variável, somando R$ 92,1 bilhões (US$ 19,6 bilhões).

 + Assine gratuitamente as nossas publicações

Notícias relacionadas

Não foram encontrados resultados para esta consulta.