• Empresas fiscalizadas.
  • Fale Conosco.
  • Imprensa.

Notícias

Raio X do Investidor chega à quinta edição com novos recortes sobre o comportamento financeiro dos brasileiros

Pesquisa da ANBIMA inclui, pela primeira vez, as classes D/E e, além da análise por gênero, agora traz dados também sobre orientação sexual, geração e raça

 

Cerca de um terço da população brasileira (31%), ou aproximadamente 52 milhões de pessoas, tinham investimentos em algum produto financeiro em 2021, segundo a 5ª edição do Raio X do Investidor Brasileiro, pesquisa anual da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) em parceria com o Datafolha.

O levantamento incluiu, pela primeira vez, as classes D/E e também trouxe novos recortes, com um olhar sobre o comportamento financeiro levando em conta as nuances por raça, orientação sexual e geração.

+ Visite a página especial sobre o Raio X do Investidor Brasileiro

+ Participe da reunião aberta em 11 de maio sobre os principais insights da pesquisa

De acordo com o estudo, há mais investidores nas classes A/B (52%), seguida da C (29%) e da D/E (16%). “É esperado que um número menor de famílias das classes D/E consigam poupar e investir. Uma parcela significativa dessas famílias vive inclusive em situação de vulnerabilidade social. Mas é importante olharmos com mais atenção para essas famílias que conseguem, para entender as suas estratégias, avaliar se há produtos e serviços adequados às necessidades delas e entender que tipo de iniciativas de educação financeira podem ajudá-las a poupar e investir melhor”, afirma Marcelo Billi, superintendente de Comunicação, Certificação e Educação de Investidores da ANBIMA.

No momento de fazer uma aplicação, ir pessoalmente ao banco é o meio mais utilizado, sendo a escolha de 51% dos investidores, principalmente devido às classes D/E e às pessoas das gerações X, Boomers e com 76 anos ou mais. Em seguida, aparecem os aplicativos dos bancos (42%), com uma proporção bem acima da média para Millenials (54%) e Geração Z (65%).

grafico_tipo_investimento.png

A caderneta de poupança é o tipo de investimento mais utilizado, sendo citada por 23% da população, mas há espaço também para opções mais arriscadas, como as ações (2%), e novidades, como as moedas digitais/criptomoedas/criptoativos (2%), sendo essas mais populares entre a Geração Z (5%) e os Millenials (4%). 

“Ter uma carteira um pouco mais arriscada faz sentido quando se é jovem: você tem o tempo a seu favor. O que precisamos sempre lembrar é que isso faz sentido dentro de uma carteira diversificada, sem estar exposto só a um risco específico e com um portfólio que esteja adequado aos seus objetivos”, ressalta Billi.

grafico_destino_aplicacoes.png

A pesquisa mostrou ainda que ter a casa própria é o desejo de 29% dos brasileiros que investiram em produtos financeiros em 2021, mirando a compra do imóvel com os rendimentos dessas aplicações. O objetivo é mais presente entre as pessoas da classe D/E (34%) e aparece em proporção semelhante na A/B e na C, ambas com índice de 28%.

Já no recorte por orientação sexual, o levantamento mostrou que, enquanto 40% dos LGBTQIA+ querem realizar o sonho da casa própria, a parcela dos heterossexuais com o mesmo desejo é de 28%. 

Manter o dinheiro guardado ou aplicado vem logo em seguida como destino do retorno das aplicações, sendo citado por 20% dos investidores brasileiros. Já investir em um negócio próprio aparece com 8% e uma proporção ainda mais significativa entre as pessoas da classe D/E (12%).

O levantamento apontou que há diferenças também nas decisões financeiras quando se observa o recorte por raça. Entre os declarantes brancos, 37% investem em algum tipo de produto financeiro, enquanto, no grupo de declarados pretos/pardos, essa proporção chega a 29%. Já entre os brasileiros que não guardam dinheiro, a parcela de pretos/pardos atinge 63% e a de brancos, 56%. Aspectos socioeconômicos explicam, em grande parte, essas diferenças.

 REUNIÃO ABERTA COM INSIGHTS SOBRE OS DADOS

E vamos analisar juntos os dados do Raio X do Investidor Brasileiro? Nesta quarta-feira, 11 de maio, às 11h, Marcelo Billi aguarda você para compartilhar os principais insights da pesquisa e conversar sobre os resultados.

Para participar, é só se inscrever aqui

As entrevistas para a quinta edição do Raio X do Investidor Brasileiro aconteceram presencialmente entre 9 e 30 de novembro de 2021, com 5.878 pessoas das classes A/B, C e D/E, de 16 anos ou mais, nas cinco regiões do país. A margem de erro da pesquisa é de um ponto percentual, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.

O relatório completo pode ser baixado na nossa página especial.

 

 

Notícias relacionadas

Não foram encontrados resultados para esta consulta.