• Impactos da Covid-19.
  • Conteúdos especiais.
  • Eventos.
  • Fale Conosco.
  • Imprensa.

Notícias

Emissões no mercado de capitais somam R$ 33,7 bilhões em abril

Ofertas concluídas nos quatro primeiros meses do ano chegam a R$ 115,1 bilhões

 

pexels-photo-872957.jpeg
 

 

As ofertas no mercado de capitais concluídas em abril somaram R$ 33,7 bilhões. De acordo com o Boletim de Mercado de Capitais, nos quatro primeiros meses do ano, as empresas brasileiras realizaram 406 operações, totalizando R$ 115,1 bilhões, volume que representa alta de 40,4% sobre o mesmo período do ano passado, quando foram movimentados R$ 82 bilhões a partir de 340 emissões.

Enquanto os instrumentos de renda variável não foram utilizados pelas empresas em abril, as operações em renda fixa registraram o maior mensal volume do ano, com R$ 30,4 bilhões. O destaque é para as emissões de debêntures, que somaram R$ 15,6 bilhões em abril (34 operações). No ano, as captações com debêntures atingiram R$ 32,4 bilhões, contra R$ 43,6 bilhões do mesmo período de 2019 (queda de 25,6%).

+ Confira o Boletim de Mercado de Capitais na íntegra

As notas promissórias, papéis de renda fixa de prazos mais curtos, saltaram de R$ 1,5 bilhão, em março, para R$ 13 bilhões em abril – o maior volume mensal da nossa série histórica. “Este é um movimento pontual. Com o isolamento provocado pela Covid-19, muitas empresas optaram pelas notas promissórias, que não necessitam de registro em juntas comerciais, para reforço de caixa”, afirma José Eduardo Laloni, nosso vice-presidente. “Recentemente, a CVM lançou uma medida provisória, que inclusive atende a pedidos da Associação, prorrogando o prazo de registro das escrituras de debêntures. A medida vem justamente para auxiliar as empresas a emitirem esses papéis durante a pandemia”, completa.

+ Covid-19: veja as mudanças no mercado e nossos esforços para diminuir os impactos da pandemia às instituições

Até o fim de abril, 55 ofertas no mercado de capitais, incluindo debêntures, CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio), CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários), FIDCs (Fundos de Investimento em Direito Creditório) e fundos imobiliários, estão em análise pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) ou pelo convênio entre a ANBIMA e a autarquia, podendo chegar a R$ 11,7 bilhões.

Mercado externo
As empresas brasileiras não concluíram operações no mercado externo durante abril. No acumulado dos quatro primeiros meses do ano, dez ofertas de renda fixa e uma de renda variável totalizaram R$ 38,9 bilhões (US$ 9,2 bilhões).

+ Receba nossas publicações gratuitamente em seu e-mail

 

Notícias relacionadas

Não foram encontrados resultados para esta consulta.