• Impactos da Covid-19.
  • Conteúdos especiais.
  • Eventos.
  • Fale Conosco.
  • Imprensa.
    Português Português (BR)

Boletim de Fundos de Investimentos

Classe multimercados registra recorde em entrada líquida de recursos no ano

No ano de 2020, a indústria de fundos finalizou com captação líquida de R$ 156,4 bilhões, registrando redução de 32% diante de 2019. O resultado do período foi sustentado por duas classes: multimercados e ações, que unidas somaram R$ 166,9 bilhões. Isso pode ser atribuído à trajetória de redução da taxa de juros ao longo do ano, abaixo do que era previsto no período pré-pandemia, que reforçou o movimento do investidor de menor aversão ao risco em busca de melhor rentabilidade.Capt.Liquida.png

A classe multimercados obteve a maior captação líquida do ano, com entrada líquida de R$ 97,6 bilhões, garantindo a maior contribuição para a indústria e fixando o recorde da série histórica da classe, iniciada em 2006. Entre os tipos da categoria, o multimercados livre apresentou a maior captação líquida, com R$ 66,4 bilhões. Por sua vez, a classe ações exibiu a segunda melhor captação líquida do ano, R$ 69,4 bilhões, resultado que só fica atrás de 2019 (R$ 88,9 bilhões) na sua série histórica. O destaque do período ficou com o tipo ações livre, com R$ 46,1 bilhões.

Esse ambiente de maior disposição ao risco por parte dos investidores acabou se refletindo negativamente no desempenho dos fundos de renda fixa mais conservadores, que foram perdendo atratividade ao longo do período, sobretudo após o deságio das LFTs em setembro. No final, a classe renda fixa registrou no ano saída líquida de R$ 41,2 bilhões.

Mesmo com os dados da carteira da indústria de fundos disponibilizados até novembro, percebe-se, entre os ativos com participação relevante, um crescimento das operações compromissadas com títulos públicos (15,3%) e ações (9%). Os títulos públicos, que representam metade do estoque de ativos, cresceram 4,6% até novembro enquanto as debêntures, que correspondem à parcela de menos de 4% do total, avançaram 3,8%. Vale destacar o crescimento da parcela alocada de ativos do investimento no exterior, que, a despeito de ser ainda pouco representativa, mostrou crescimento de 74%, passando de R$ 32 bilhões para R$ 55 bilhões.Rent.Multimercados.png

Com relação às rentabilidades, os tipos da classe multimercados foram destaques, a maioria performou acima da taxa DI e do Ibovespa (9 entre os 11), no ano. Os tipos multimercados investimento no exterior e estratégia específica exibiram os maiores ganhos da classe no período, 12,2% e 8,3%, respectivamente. Na classe ações, o destaque ficou com o tipo ações FMP-FGTS, que encerrou com ganho de 26,7% e o Mono Ação 15,5%, anual.

Em relação aos dados de dezembro, a indústria de fundos captou R$ 8,8 bilhões em recursos líquidos, após dois meses consecutivos de saída líquida, 51,2 bilhões e 13,2 bilhões em outubro e novembro, nesta ordem. Os resultados positivos foram das seguintes classes ANBIMA: previdência, R$ 8 bilhões; renda fixa, R$ 4,7 bilhões; e ações, R$ 1 bilhão. Já a classe multimercados encerrou o mês com saída líquida de R$ 2,1 bilhões.